O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou hoje que está negociando com empresas do setor privado o desenvolvimento de um motor ecológico, que possa substituir os motores comuns, reduzindo o nível de poluição produzida por diesel. Uma das alternativas estudadas é a criação de um motor elétrico híbrido. O BNDES seria financiador do projeto.

A informação foi dada por Coutinho durante a cerimônia de assinatura de um contrato entre o banco e a prefeitura do Rio para a construção de um corredor expresso ligando o Aeroporto Internacional Tom Jobim à Barra da Tijuca. Segundo o presidente do BNDES, a obra da chamada Transcarioca, que contará com R$ 1,2 bilhão de financiamento do banco, criará demanda para que seja desenvolvida o que ele chamou de alternativa ecológica para o sistema de transportes.

“Existem empresas importantes do setor privado interessadas em desenvolver em parceria com fabricantes de equipamentos essa alternativa. Esperamos que se consiga desenvolver um equipamento competitivo dentro do prazo”, disse Coutinho, durante cerimônia no Palácio da Cidade, no Rio.

O presidente do BNDES afirmou esperar que todo o projeto possa ser iniciado dentro de três anos. Segundo ele, a Transcarioca cria uma escala mínima inicial para o desenvolvimento do motor. Ele afirmou que o banco já conta com linhas de financiamento de desenvolvimento tecnológico que podem ser usadas para apoiar o projeto.