A companhia petrolífera britânica BG Group e a espanhola Repsol YPF, sócias da Petrobras na exploração do poço de Guará, na Bacia de Santos, confirmaram nesta quarta-feira o anúncio feito ontem pela estatal brasileira de que a reserva tem potencial de produção maior do que o estimado inicialmente. A BG e a Repsol informaram que a meta de produção inicial é de 120 mil barris/dia, a ser alcançada num prazo de dois a três anos.

No fato relevante divulgado ontem, a Petrobras disse que durante o teste foram constatadas vazões da ordem de 7 mil barris por dia, limitadas à capacidade dos equipamentos do teste. Pelas estimativas da companhia, a produção inicial do poço é de cerca de 50 mil barris de óleo por dia. O volume de óleo recuperável foi estimado na faixa de 1,1 bilhão a 2 bilhões de barris de óleo leve e gás natural, números confirmados pela BG e pela Repsol.

A meta de produção inicial informada nesta quarta-feira pela BG é 20% maior dos que os 100 mil barris/dia estimados pela companhia britânica em julho. As três empresas acertaram um prazo para a instalação de uma plataforma flutuante em Guará, disseram a BG e a Repsol. “Os parceiros estão plenamente alinhados com a continuação do trabalho para acelerar a avaliação completa e o desenvolvimento destes recursos”, afirmou o presidente da companhia britânica, Frank Chapman.

“Com as atividades planejadas e em andamento (nos campos de) Tupi, Abaré Oeste, Corcovado, Iracema, Iara, Carioca e Parati, está claro que o pré-sal da Bacia de Santos terá uma contribuição muito positiva para a produção e o fluxo de caixa da BG Group por muitos anos à frente”, acrescentou.

O analista Richard Griffith, da corretora Evolution Securities, disse que a notícia é positiva para a BG e para a Repsol, mas observou que o real valor da produção do campo ainda não está claro. O dado sobre as novas reservas é maior do que as estimativas anteriores, de 1 bilhão de barris de petróleo equivalente, mas a faixa ampla com que o dado foi apresentado e a falta de informações sobre os aspectos financeiros da produção do campo dificultam a avaliação, afirmou.

Em Madri, o presidente da Repsol YPF, Antonio Brufau, disse a uma rádio local que o potencial de produção demonstrado pelos testes de produção em Guará surpreendeu a todos “de uma forma muito positiva”. “As reservas que podem existir lá superam em muito nossas estimativas iniciais”, declarou. Ele afirmou que o pré-sal da Bacia de Santos tem potencial para produzir petróleo por 30 anos. As informações são da Dow Jones.