O programa de relaxamento quantitativo (QE) anunciado pelo Banco Central Europeu (BCE) prevê a compra de títulos soberanos e corporativos de acordo com limites operacionais, que visam garantir a formação de preços dos bônus no mercado. Os dirigentes também reafirmam que o pacote de estímulos deve vigorar “até pelo menos setembro de 2016”.

Em comunicado divulgado após a coletiva de imprensa do presidente do BCE, Mario Draghi, a instituição revelou os detalhes da extensão do seu programa de compra de ativos. A autoridade monetária especifica que somente papéis com maturidade mínima de 2 anos e máxima de 30 anos devem participar do pacote de estímulos. Além disso, as operações no mercado secundário serão desveladas em relatórios semanais. Mensalmente, a entidade também reportará a quantidade de ativos que cada banco central nacional mantém, bem como a maturidade ponderada de tais bônus.

No documento, os dirigentes reafirmam a missão do programa para “lidar com os riscos de um período de baixa inflação muito prolongado” e que o banco comprará títulos emitidos por governos da zona do euro, agências e instituições europeias. A entidade também ressalta que os instrumentos utilizados no programa estão de acordo com os tratados da União Europeia.