O programa de swap cambial do Banco Central será mantido no próximo ano, segundo indicou há pouco o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. Ele disse que, nos próximos dias, o Banco Central definirá os parâmetros dos leilões diários de swap cambial a partir de janeiro de 2015. “Os swaps vêm sendo renovados e devem continuar a ser renovados no futuro”, disse o presidente do BC em discurso na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

Tombini repetiu a avaliação – feita em discurso na semana passada também no Congresso Nacional – de que o programa de swap tem atingido plenamente seus objetivos. “Em funcionamento desde agosto de 2013, permitiu amortecer as oscilações da taxa de câmbio, ao tempo em que fornece proteção aos agentes econômicos. O volume ofertado até agora, cerca de um pouco mais US$ 100 bilhões, corresponde a menos de 30% por cento das reservas internacionais do País e não traz comprometimento a esses ativos, uma vez que esses instrumentos são liquidados em reais”, disse. O presidente do BC afirmou, ainda, que a situação não enseja “qualquer necessidade, no curto e médio prazos, de reversão dessas posições”.

Ao final da primeira parte de seu discurso, Tombini reforçou o que foi dito na semana passada, de que “o fortalecimento da política fiscal, por meio de um processo consistente e crível de consolidação de receitas e despesas, rigorosamente conduzido, deverá, ao longo do tempo, facilitar a convergência da inflação para a meta”.