Após Bradesco e Banco do Brasil, mais três bancos de varejo que atuam no mercado brasileiro decidiram reduzir suas taxas de juros, acompanhando a decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central, que baixou a taxa Selic de 19% para 17,5% ao ano.

O Itaú, por exemplo, reduziu o juro do cheque especial para pessoa física de 8,38% ao mês para 8,32%. No crédito pessoal, as taxas caíram de 5,83% para 5,77% ao mês. A taxa do cheque especial para pessoa jurídica (varejo) teve redução de 7,30% para 7,25% ao mês.

As novas taxas do HSBC passam a vigorar a partir de 1.º de dezembro. A instituição baixou o juro máximo do cheque especial para pessoas físicas de 8,38% ao mês para 8,30%. O banco reduziu ainda o custo do desconto de cheques e de duplicatas para pequenas e médias empresas. A taxa máxima do desconto de cheques, por exemplo, foi reduzida 3,80% para 3,70% ao mês.

Caixa

A instituição aplicou reduções em diversas linhas. Em alguns casos, que não foram detalhados pela Caixa, os cortes valem a partir da próxima segunda-feira (24), mas em outros, somente a partir de 1.º de dezembro.

No caso do crédito pessoal para pessoa física, por exemplo, a Caixa baixou o juro máximo de 5,71% para 4,08% ao mês.

A taxa máxima do crédito rotativo para pessoas jurídicas caiu de 7,31% para 7,19% ao mês. Já o juro máximo de crédito para micro e pequenas empresas passou de 5,36% para 5,25%.

O Bradesco, por sua vez, baixou a taxa máxima do cheque especial para pessoas físicas de 8,29% para 8,18% ao mês. O juro máximo de crédito pessoal foi reduzido de 5,80% para 5,69% ao mês. Para as empresas, os juros mensais máximos do capital de giro caíram de 6,23% para 6,12%.