O saldo da balança comercial brasileira deverá encerrar 2011 com um superávit de US$ 20,9 bilhões. O dado integra a última edição da Pesquisa Febraban de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado, que calcula a mediana das expectativas de 31 instituições financeiras. O levantamento, organizado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) entre os dias 28 de julho e 2 de agosto, aponta ainda que, para 2012, a expectativa é de um superávit de US$ 10,9 bilhões. Na pesquisa anterior, a previsão dos bancos apontava para um superávit de US$ 20,2 bilhões, em 2011, e de US$ 10,9 bilhões, em 2012.

A pesquisa aponta ainda que o saldo em transações correntes em 2011 deverá ficar negativo em US$ 58,8 bilhões. Na edição anterior, o levantamento registrava uma projeção de déficit de US$ 59,8 bilhões. A pesquisa também projeta um déficit da conta corrente em 2012 de US$ 69,1 bilhões, ante os US$ 70,2 bilhões estimados no levantamento anterior.

O Investimento Estrangeiro Direto (IED), por sua vez, segundo a pesquisa, deverá somar US$ 55,1 bilhões em 2011. Para 2012, a projeção é de US$ 50,2 bilhões. No levantamento anterior, o IED era projetado em US$ 51,3 bilhões, em 2011, e em US$ 46,9 bilhões, em 2012.

As reservas internacionais, mostra a pesquisa, deverão encerrar 2011 em US$ 352,5 bilhões. Em 2012, as previsões apontam para um volume em reservas equivalente a US$ 369 bilhões. Na pesquisa anterior, as previsões eram de US$ 342,6 bilhões, em 2011, e de US$ 357,9 bilhões, em 2012.

Resultado do setor público

O superávit primário do setor público consolidado deve fechar 2011 na ordem de 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB). O levantamento aponta ainda que, para 2012, a projeção é de resultado fiscal de 2,7% do PIB.

Na pesquisa anterior, a previsão dos bancos apontava para um porcentual de 2,8%, em 2011, e de 2,7%, em 2012. O superávit primário é a economia do governo para o pagamento de juros da dívida pública.

O levantamento projeta ainda que a dívida líquida do governo brasileiro, também na proporção do PIB, deverá encerrar 2011 em 39,2%. Em 2012, a expectativa é de encerre em 37,9%. Na pesquisa anterior, as projeções apontavam para uma relação entre a dívida e o PIB de 39,2%, em 2011, e de 37,9%, em 2012.

Economia dos EUA

A economia norte-americana deverá encerrar 2011 com um crescimento de 2,5%. A última edição da Pesquisa Febraban de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado informa ainda que, para 2012, a projeção é de uma expansão de 2,9% do PIB dos Estados Unidos. Na pesquisa anterior, as projeções eram de um crescimento americano de 2,6%, em 2011, e de 3,0%, em 2012.

A inflação ao consumidor norte-americano, por sua vez, medida pelo índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), deverá, de acordo com a pesquisa, encerrar 2011 em 2,9%, ante projeção de 2,7% apurada no levantamento anterior. Para 2012, a previsão é de uma inflação de 2,2% no varejo norte-americano, ante 2,0% no levantamento anterior. A projeção da pesquisa para a taxa básica de juros, os chamados Fed Funds, é de que encerre 2011 em 0,3%, ante 0,3% no levantamento anterior. Em 2012, a projeção é de que a taxa de juros nos EUA feche em 1%, ante 1% na pesquisa anterior.