Os principais bancos brasileiros ganharam mais no ano passado com a prestação de serviços do que com os títulos do governo. Segundo levantamento da ABM Consulting, no ano passado 20,1% das receitas totais dos bancos vieram de prestações de serviços, contra 17,4% no ano anterior. Já a participação dos títulos e valores mobiliários nas receitas totais diminuíram de 25,1% para 17% no mesmo período.

Na avaliação do analista financeiro da ABM Consulting, Gustavo Pedreira, esse movimento com as receitas de títulos ocorreu porque a taxa de juro, na média, esteve maior em 2003 do que em 2004.

O juro básico (Selic) chegou a atingir 26,5% ao ano em 2003. Em 2004, a taxa máxima foi de 17,75% ao ano, em dezembro. Atualmente, a Selic está em 18,75% ao ano. Como a rentabilidade de grande parte dos títulos é atrelada à Selic, com o juro menor, as receitas diminuem.

No Banco do Brasil, por exemplo, que carrega uma grande quantidade de títulos públicos, a participação das receitas de serviços aumentou de 14% para 17,7%, enquanto que a de títulos teve redução expressiva de 28,1% para 14,2%.

Para o analista, a diminuição nos ganhos com títulos é ruim para os bancos, mas favorável para a economia. ?Para a economia é muito bom pois diminuem os investimentos em títulos e aumenta o crédito para o consumidor?, disse.

O estudo mostra também que houve aumento na participação das receitas com crédito, de 40,7% para 43,1%, em razão da melhora da economia.

O bom desempenho nas receitas de crédito é resultado também dos juros ao tomador ainda altos, da consolidação do sistema bancário e do aumento da base de clientes dos bancos.

O levantamento foi feito com os bancos Bradesco, Banco do Brasil, Itaú e Unibanco, que divulgaram balanços referentes a 2004 recentemente.