O Banco Central Europeu (BCE) provavelmente precisará elevar a taxa básica de juros mais de uma vez para combater o risco de inflação, afirmou o presidente do Deutsche Bundesbank, Axel Weber, em entrevista à televisão.

“Até aqui, raramente foi possível banir os riscos de inflação completamente com uma pequena elevação dos juros”, disse Weber, que também é membro do conselho de diretores do Banco Central Europeu (BCE).

A taxa básica de refinanciamento do BCE está desde maio de 2009 em 1%, enquanto a inflação na zona do euro ficou em 2,4% em fevereiro, em termos anualizados. Analistas estimam que uma taxa de juros “natural” seria de 3%, refletindo um potencial de crescimento real anual de cerca de 1%, mais 2% de inflação. O BCE tem como meta manter a inflação “próxima, porém abaixo de 2%” no horizonte de médio prazo.

Weber, que deixará o Bundesbank no final de abril, apontou que a curva a termo de taxa de juros da zona do euro implica que o mercado projeta que a taxa de refinanciamento estará em 1,75% até o final do ano. “Eu acredito que isso seja relativamente apropriado”, comentou Weber.

Ele disse ainda que o BCE deverá reavaliar sua política de liquidez, algo que a autoridade insiste que deve ser analisado separadamente de sua política monetária. Na semana passada, o BCE comprometeu-se a emprestar para os bancos a quantia de dinheiro que eles quisessem por pelo menos mais três meses, dando continuidade a uma prática adotada após o colapso do Lehman Brothers em 2008.

Em entrevista coletiva hoje, Weber disse que o BCE avançou em seus esforços para trabalhar numa solução para os bancos que estão “viciados” nas medidas especiais de liquidez do BCE. Uma solução deverá ser anunciada “no próximo trimestre”, disse ele. As informações são da Dow Jones.