A conta corrente do balanço de pagamentos do País com o exterior registrou em março déficit de US$ 1,645 bilhão, segundo dados divulgados hoje pelo Banco Central. O número do mês passado é inferior ao déficit de março de 2008, que somou US$ 4,343 bilhões.

Segundo o BC, o resultado da conta corrente do mês passado foi determinado pelo superávit de US$ 1,772 bilhão da balança comercial; déficit de US$ 3,674 bilhões na conta de serviços; e rendas e transferências unilaterais, que registraram ingresso de US$ 258 milhões.

No primeiro trimestre de 2009, a conta corrente acumula déficit de US$ 5,020 bilhões. Em igual período do ano passado, o déficit somava US$ 10,260 bilhões. No período de 12 meses até março, a conta corrente acumula déficit de US$ 22,951 bilhões, ou o correspondente a 1,59% do PIB.

Investimento direto

Os investimentos estrangeiros diretos (IED) no Brasil somaram US$ 1,444 bilhão em março, segundo o BC. Em março de 2008, o IED havia sido de US$ 3,083 bilhões.

No acumulado do primeiro trimestre de 2009, o IED somou US$ 5,342 bilhões, inferior ao registrado em igual período de 2008, quando a entrada totalizou US$ 8,799 bilhões. No acumulado de 12 meses encerrado em março de 2009, o IED atinge US$ 41,601 bilhões. O valor corresponde a 2,88% do PIB.

Remessa de lucros

As remessas de lucros e dividendos somaram em março US$ 1,755 bilhão. Em março do ano passado, as remessas foram bem superiores e atingiram US$ 4,345 bilhões. No primeiro trimestre deste ano, as remessas totalizaram US$ 3,556 bilhões, menos da metade dos US$ 8,662 bilhões registrados no período de janeiro a março de 2008.

As despesas com juros em março somaram US$ 559 milhões, ante US$ 308 milhões em março do ano passado. No primeiro trimestre, o gasto com juros somou 2,634 bilhões, ante US$ 2,141 bilhões em igual período de 2008.