Seguindo o exemplo dos metalúrgicos, os bancários também estão deflagrando uma campanha emergencial para tentar repor a perda de poder aquisitivo acumulada desde setembro passado, data-base da categoria. Conforme deliberação da Comissão Bancária Nacional de Negociação na reunião realizada em Brasília no último domingo, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Crédito (Contec), Federação dos Bancários do Paraná (FEEB/PR) e os sindicatos de bancários de todo o país reivindicam antecipação salarial de 10%. É o mesmo índice de reajuste obtido nos acordos de algumas indústrias de São Paulo.

No período de setembro/2002 a março/2003, os índices de inflação acumulada variam de 11,50% (IPC-Fipe) a 23,35% (IGP-M). A variação do ICV-Dieese soma 13,72%, do INPC-IBGE 14,61% e do IGP-DI 22,67%. Para a Contec, somente a rentabilidade obtida pelos bancos no ano passado, 18,5% superior à de 2001, basta para exigir a antecipação de reajuste. A pauta já foi encaminhada à Fenaban (que representa os bancos privados), Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e bancos estaduais. A Contec congrega cerca de 400 mil bancários no País, sendo aproximadamente 35 mil no Paraná.

“Como forma de sensibilização, 1% da antecipação do reajuste será doada pelos bancários ao programa Fome Zero”, destaca Edson Correia Capinski, secretário-geral da FEEB/PR. (OP)