Brasília (ABr) – O presidente da União Brasileira de Avicultura (UBA), Zoé Silveira d?Avila, atribuiu ontem ao excesso de burocracia dois dos principais problemas enfrentados neste momento pelo setor produtivo agropecuário do País: a ameaça de greve dos fiscais federais agropecuários e o atraso do Ministério da Agricultura em definir o Plano Nacional de Controle e Prevenção da Doença de Newcastle e de Prevenção da Influenza Aviária, originalmente proposto pela UBA com a denominação de Programa Nacional de Regionalização Sanitária da Avicultura.

?O Brasil é um dos países mais burocráticos do mundo e a praga da burocracia se estende a todos os níveis de governo. Não iria ser diferente no caso das negociações entre o governo e os fiscais agropecuários. Também não iria ser diferente nessa questão da regionalização. Felizmente, após um atraso de dois meses sobre o prazo previsto pelo próprio Ministro da Agricultura, a portaria que institui o plano foi publicada neste dia 17 de fevereiro?, disse Zoé d?Avila.

O presidente da UBA acompanha atentamente o desenvolvimento dessas duas questões e participou nesta terça-feira de uma reunião com os fiscais agropecuários, ocasião em que tratou dos enormes prejuízos que uma eventual paralisação desses profissionais causaria ao setor avícola, com interrupção das exportações e acúmulo de estoques. ?O governo e os fiscais precisam negociar, esgotar todas as possibilidades de entendimento, e a avicultura está ajudando a viabilizar um acordo. É do interesse de todos e é de interesse do Brasil?, afirmou.

Em relação à portaria da Secretaria de Defesa Agropecuária (DAS) que estabelece o Plano de Prevenção da Influenza Aviária, publicada anteontem com prazo de 30 dias para consulta pública, Zoé Silveira d?Avila manifestou a satisfação da avicultura com o reconhecimento, pelo governo federal, da necessidade de dotar o País da infra-estrutura de vigilância sanitária capaz de prevenir o ingresso de doenças exóticas de aves no território brasileiro. Segundo explicou, o conteúdo da portaria da DAS segue as linhas principais do projeto elaborado pela UBA há quase dois anos e apresentado em novembro de 2004 ao Ministério da Agricultura.