enkontra.com
Fechar busca

Economia

acordo não saiu do papel

Automóveis argentinos continuam barrados na fronteira

Há 40 mil veículos aguardando liberação das licenças não automáticas para entrar no Brasil

Um mês e meio após os governos do Brasil e da Argentina fumarem o cachimbo da paz e liberarem de forma gradual a entrada de produtos de ambos os lados, calçados, têxteis, alimentos e automóveis, entre outros, continuam parados na fronteira entre os dois países. Enquanto representantes dos governos tentam amenizar o problema, o setor privado reclama que a “carta de boas intenções” anunciada no início de junho não aliviou a situação dos exportadores.

Segundo fontes do setor automotivo da Argentina, há 40 mil automóveis fabricados no país aguardando a liberação das licenças não automáticas para entrar no Brasil. Parte está na fronteira, parte em trânsito e nas alfândegas. Também há muitos veículos destinados à exportação estacionadas nas fábricas locais.

Desde segunda-feira, afirmam as fontes, apenas 5 mil veículos argentinos entraram no território brasileiro. O Ministério da Indústria da Argentina confirma a demora para a saída dos produtos do país, mas não considera o episódio como restrição e sim que “há problemas logísticos nos portos” do Brasil. O órgão ressalta que o Brasil liberou entre quarta-feira da semana passada e quarta-feira desta semana 18,5 mil veículos argentinos.

O governo da presidente Cristina Kirchner afirma que o estoque de automóveis com entrada atrasada nos portos brasileiros é de apenas 10 mil veículos. Segundo a reportagem apurou, somente a Fiat tem cerca de 4 mil veículos parados nos dois lados da fronteira. Da Argentina, vem o modelo Siena. A Renault tem outros mil. A marca traz do país vizinho os modelos Clio, Symbol, Fluence e Kangoo. A General Motors, que importa Classic e Agile, seria uma das mais prejudicadas.

Para não se indispor com as partes envolvidas, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) limitou-se a dizer que “aguarda solução positiva negociada pelos governos para normalizar a situação, pois o setor automotivo representa 25% das relações bilaterais” entre Brasil e Argentina.

O acordo fechado em junho entre a ministra da Indústria da Argentina, Débora Giorgi, e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, estabeleceu redução substancial do período de liberação das licenças não automáticas, prática adotada para controlar as importações, mas o acerto não tem sido cumprido. “Existem biscoitos e guloseimas brasileiras que estão sem receber liberação desde março”, diz um integrante da Câmara de Importadores da Argentina. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Últimas Notícias

Mais comentadas