A ata do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) divulgada nesta quinta-feira (13) traz vários alertas. Os diretores do Banco Central advertiram que aumentaram os riscos de pressões inflacionárias localizadas que comprometeram a trajetória de inflação. Segundo o Copom, esse risco pode ocorrer uma vez que o aquecimento da demanda pode ensejar aumento no repasse de pressões sobre os preços no atacado para os preços ao consumidor. "O Copom avalia que se elevou a probabilidade de que a emergência de pressões inflacionárias inicialmente localizadas venha a apresentar riscos para a trajetória de inflação", diz o documento.

A ata da do Copom aponta a expansão da demanda doméstica como um risco não desprezível para a inflação. De acordo com a ata, o ritmo de crescimento da demanda doméstica deve continuar sendo sustentado, entre outros fatores, pelo processo de redução da taxa de juros. "A demanda doméstica continua se expandindo a taxas robustas e sustenta a recuperação da atividade econômica, inclusive em setores poucos expostos à competição externa, quando os efeitos de importantes fatores de estímulo, como a flexibilização monetária já implementada, ainda estão por se fazer sentir em sua plenitude", alertam os diretores do BC na ata do Copom.

A ata destaca ainda que a contribuição do setor externo para a consolidação de um cenário inflacionário benigno pode estar se tornando menos efetiva. "Por sua vez, ainda que aparentemente não constitua risco iminente para as perspectivas da inflação, a contribuição do setor externo para um cenário inflacionário benigno pode estar se tornando menos efetiva", avisa o Copom na ata. Segundo a ata, nesse ambiente cabe à política monetária manter-se especialmente vigilante para evitar que a maior incerteza detectada em horizontes mais curtos se propague para horizontes mais longos.