Depois de anos de tentativas frustradas, a companhia americana Apollo Education realizou uma aquisição no Brasil. A empresa, que olha o mercado brasileiro pelo menos desde 2008, adquiriu 75% da Faculdade da Educacional da Lapa (Fael), do Paraná, por R$ 73,8 milhões e mais um montante de dívidas não revelado.

Um dos maiores grupos de ensino do mundo em valor de mercado depois da brasileira Kroton e da chinesa New Oriental, com receita de mais de US$ 3 bilhões/ano, a Apollo chega ao País de olho no ensino a distância (EAD), mercado mais disputado pelas gigantes brasileiras do setor.

Em entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, Curtis Uehlein, presidente do braço da companhia responsável pelas operações internacionais, a Apollo Global, diz que a empresa buscou a Fael especificamente por causa da capilaridade no ensino a distância. “A companhia é quase que exclusivamente de ensino a distância e acreditamos que essa é a forma pela qual podemos alcançar mais estudantes que não poderiam ter acesso ao ensino de outra maneira.”

A Fael é uma instituição considerada pequena: tem apenas 12 mil alunos frente aos centenas de milhares das grandes do setor. Com 113 polos de apoio presencial, a Fael tem, porém, o requisito principal para ofertar cursos a distância em todos os Estados brasileiros. Os polos são os locais onde alunos de ensino a distância têm alguns encontros presenciais com professores e podem realizar provas.

Fontes do setor afirmam que a Fael enfrenta problemas de caixa e dificuldades para atrair novos alunos. Dos 113 polos, apenas 85 estão ativos, numa média de não mais que 150 estudantes, número bem inferior à média de 500 alunos por polo do setor no Brasil. Na prática, dizem as fontes, os americanos pagaram por unidades quase sem alunos apenas para terem a oportunidade de entrar no mercado brasileiro, com a expectativa de reestruturar o negócio no médio prazo.

Uehlein afirma que a Apollo espera poder fazer a Fael crescer. “Nossa meta é trazer as melhores práticas e acreditamos que a Fael tem um ótimo currículo.” Uma das principais formas de crescimento é com a abertura de novos cursos. O executivo diz que a Fael já teve autorizada a oferta de novos cursos pelo Ministério da Educação. Hoje são 11 cursos já ofertados e outros nove já foram autorizados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.