Das 30.378 empresas do setor industrial que fazem inovações em produtos ou processos no Brasil, apenas 12%, ou 3.790 empresas, apresentam inovações para o mercado nacional. Em relação ao mercado mundial, o número é bem menor, de 298 empresas.

Os números, referentes a 2005 e divulgados nesta terça-feira (31) na Pesquisa de Inovação Tecnológica (Pintec), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que as inovações ocorrem em grande parte dos casos, apenas para a própria empresa. Isso significa que a empresa pode ser considerada inovadora porque lançou um produto que ainda não fabricava ou inaugurou um novo processo, que são novidades apenas em relação ao próprio negócio mas já existiam anteriormente no mercado nacional ou mundial.

A gerente da pesquisa, Mariana Rebouças, explicou que essa é uma característica das empresas inovadoras não apenas do mercado brasileiro, mas mundial. Em todo o mundo, segundo ela, a maior parte das inovações ocorre em relação à própria empresa, e não em relação ao mercado.

Entre as empresas de serviços, a proporção de empresas que inovam para o mercado é maior. Do total de 2.197 empresas inovadoras de informática, por exemplo, 23%, ou 505 empresas, fizeram, em 2005, inovações para o mercado nacional, mas apenas 10 inovaram para o mercado mundial. Nas telecomunicações, das 180 empresas inovadoras, 31, ou 17%, inovaram para o mercado nacional, e nove para o mercado mundial.

A proporção aumenta significativamente nas empresas de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento). Das 42 empresas inovadoras, quase a totalidade (38) inovaram para o mercado nacional e 15 para o mercado mundial.