A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) promove uma espécie de promoção para as novas montadoras que chegam ao País se filiarem à entidade. Segundo fontes do mercado, de R$ 2 milhões reduziu para R$ 1 milhão a “luva” cobrada das novatas para se juntarem ao grupo de 22 fabricantes de automóveis e caminhões já associadas.

A alemã BMW, que iniciou operações em Araquari (SC) há dois meses está em vias de associar-se à Anfavea. A chinesa Chery, que há pouco tempo afirmou que permaneceria na Abeifa (que representa importadores e produtores novatos) mudou de ideia e disse ontem que também vai juntar-se ao grupo.

Há algum tempo a Anfavea já havia atraído para seus quadros a americana/holandesa DAF, que inaugurou planta em outubro de 2013, e a chinesa Metro-Schacman, que iniciará operações em Tatuí (SP) no próximo ano, ambas do segmento de caminhões.

“Precisamos estar mais próximos de onde a decisão ocorre e de quem o governo ouve”, disse o vice-presidente da Chery do Brasil, Luis Curi. A fábrica do grupo em Jacareí (SP) foi inaugurada em agosto.

A Anfavea informou que está aberta aos interessados em se filiar à entidade, e disse que não alterou sua estratégia para atrair novos associados. A entidade não divulga valores cobrados pelo “pedágio” para a filiação das novas fabricantes.

A britânica/indiana Jaguar Land Rover, cuja fábrica em Resende (RJ) ficará pronta em 2016, afirmou recentemente que ficará na Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa). No setor automotivo, contudo, a aposta é de que a marca futuramente também irá compor s quadros da Anfavea. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.