São Paulo (AG) – Será realizado hoje, em São Paulo, o segundo leilão de energia de empreendimentos existentes, a chamada ?energia velha?. Participam 49 empresas, das quais 15 são vendedoras e 34 compradoras. O nome ?energia velha? foi criado pelo governo federal para se referir à energia elétrica gerada por usinas brasileiras já existentes.

A energia nova seria aquela gerada pelas usinas que ainda estão em construção. O primeiro leilão ocorreu em 7 de dezembro de 2004 (suprimento com início em 2005, 2006 e 2007) e resultou na venda de 17 mil megawatts médios, em negócios que somaram R$ 74,9 bilhões. No primeiro leilão foram vendidos com início de fornecimento em 2007, por oito anos, num total de 9.054 megawatts médios. O preço por megawatt/hora foi de R$ 67,63.

O leilão de hoje, promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), vai ofertar lotes de 1 megawatt médio cada. Os contratos têm início em 2008 e 2009, com prazo de suprimento de oito anos. Trata-se de um leilão reverso, no qual o comprador deverá ofertar o valor que aceita pagar pela energia.

Das empresas pré-qualificadas, apenas três não se habilitaram – as vendedoras Breitener e UTE Bahia e a compradora CNEE. As vendedoras pré-qualificadas são Centrais Elétricas de Cachoeira Dourada (CDSA), Companhia Energética Chapecó (CEC), Cemig Geração, Companhia Energética Rio das Antas (Ceran), Companhia Energética de São Paulo (Cesp), CGTEE, Chesf, Copel Geração, Duke Energy Paranapanema, Eletronorte, Enersul, Furnas, Tractebel Energia Comercializadora (TEC), Termopernambuco e Tractebel Energia. Entre as 34 compradoras habilitadas estão a AES Sul, CPFL Paulista, CPF Piratininga, Eletropaulo, Bandeirante Energia, Light, Cataguazes-Leopoldina, Elektro e Espírito Santo Centrais Elétricas (Escelsa).