Com o crescimento de equipamentos conectados à internet nos últimos anos, o atual conjunto de endereços possíveis para esses dispositivos na rede (os chamados IPs) começaram a se esgotar. Por isso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou nesta sexta-feira, 20, que a partir de 1º de julho todas as prestadoras de telecomunicações que atuam no Brasil estarão preparadas para oferecer aos usuários um novo protocolo de endereçamento no País.

Atualmente, a internet brasileira utiliza o padrão IPv4, mas a capacidade desses endereços na rede já se esgotou. Nos últimos tempos, novos dispositivos com acesso à internet habilitados no País já utilizavam uma espécie de “reserva técnica” de endereços, até mesmo com o compartilhamento de parte dessas identificações.

A partir de 1º de julho, no entanto, novos equipamentos já serão incluídos pelas operadoras em um novo protocolo, denominado IPv6, com capacidade de suportar uma quantidade superior de endereços. A capacidade do novo padrão é de até 340 undecilhões de endereços, ou seja, o número 340 seguido de 36 zeros. A adoção do novo protocolo também traz inovações em segurança.

De acordo com a Anatel, o novo protocolo já está disponível para usuários corporativos desde dezembro do ano passado. Todas as operadoras que atuam no Brasil já teriam disponibilizado o IPv6 em seus principais pontos de troca de tráfego.

O antigo protocolo continuará funcionando durante um período de transição, juntamente com o IPv6. Os usuários poderão inclusive continuar solicitando endereços IPv4 às operadoras, quando necessário. “A migração será feita de maneira gradual, mas precisa ser feita. Alguns países já estão bem avançados na adoção do novo protocolo”, afirmou o superintendente de planejamento e regulamentação da Anatel, Alexandre Novaes Bicalho.

No futuro, é muito provável que tanto clientes residenciais quanto corporativos tenham que atualizar ou mesmo trocar seus equipamentos – como modens, roteadores, tablets e celulares – por dispositivos compatíveis com o novo protocolo, que acabará se tornando o novo padrão para os provedores de conteúdo.

“Os grandes portais de conteúdo mundiais já funcionam com o protocolo IPv6, compatível com o IPv4. Agora os principais sites brasileiros também poderão passar ao novo padrão. Futuramente poderemos até desligar a rede antiga”, prevê o superintendente.

A partir de 2016, só serão certificados pela Anatel equipamentos compatíveis com a nova tecnologia. O órgão garante que a migração será feita de forma gradual, sem que os internautas precisem tomar qualquer providência imediata. “O usuários não precisarão fazer nada agora. Tudo que está funcionando vai continuar funcionado”, completou Bicalho.