São Paulo – O mercado financeiro tem sido muito veloz em sua melhora e já chegou a hora de parar para reavaliar o ritmo dessa valorização, afirma o consultor Nathan Blanche, da consultoria Tendências. “Se o mercado não fizer um pit stop já, acredito que a velocidade com que o dólar e o risco Brasil têm caído poderá levar a uma situação de overshooting de otimismo”. Nathan ressalta que é viável que o risco Brasil caia de para uma faixa de 800 a 900 pontos, assim como o dólar recuar para uma cotação em torno de R$ 3,20 . “No entanto, há analistas falando em um risco de 600 a 700 pontos e um dólar abaixo de R$ 3. Seria uma melhora muito acentuada e rápida, que poderia prejudicar os fundamentos da economia”, diz.

E ontem, após cair 6,8% em sete sessões consecutivas de baixa, o dólar subiu 1,05%, mas ainda abaixo dos R$ 3,20. A moeda terminou negociada a R$ 3,185 para compra e R$ 3,188 para venda. A bolsa paulista caiu 2,95%, após acumular ganho de 7,65% em cinco sessões consecutivas de alta. A avaliação do Brasil lá fora também piorou. O risco Brasil subiu 3,98%, para 939 pontos-básicos sobre os títulos do Tesouro norte-americano e o C-Bond, principal título da dívida externa, teve queda de 1,48%, a 82,75%.