A AmBev comunicou nesta terça-feira (6) o início do processo de compra da marca e da distribuição da cerveja Cintra, por US$ 10 milhões – valor já conhecido do mercado. A empresa ficou com o ativo após o término, ontem, do prazo dado para que outras empresas apresentassem propostas. Como não houve acordo com outros grupos, cumpriu-se o contrato fechado em março com o dono da marca, José Souza Cintra, e a AmBev deu procedimento para o tramite da aquisição. A companhia já havia adquirido as duas fábricas da Cintra, por US$ 150 milhões, em Piraí (RJ) e Mogi Mirim (SP).

A aquisição deve reascender a polêmica em torno da participação da multinacional no mercado de cervejas brasileiro, já que a empresa poderá extinguir a marca Cintra. Apesar da fatia pequena no mercado nacional, de 1%, a Cintra tem uma participação de mercado mais expressiva no Rio de Janeiro. Segundo especialistas em defesa da concorrência, a possibilidade de extinção da marca Cintra deve pesar na decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) na hora de aprovar o negócio.

Criada após a fusão entre Brahma e Antarctica em 1999, a AmBev detém aproximadamente 68% do mercado nacional de cervejas. Na ocasião, a fusão foi aprovada pelo Cade, com a condição de que a empresa vendesse a marca Bavária e um pacote de cinco fábricas e desse acesso à sua rede de distribuição a concorrentes.