Os aumentos de preços dos alimentos influenciaram a aceleração da inflação ao consumidor no âmbito do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) de janeiro. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-10) registrou alta de 1,05% no mês, ante uma taxa de 0,72% em dezembro.

Em janeiro, seis das oito classes de despesas que integram o índice registraram taxas maiores. O grupo Alimentação passou de 0,70% em dezembro para 1,48% em janeiro, com destaque para o recuo menor nos preços dos laticínios (de -2,57% para -0,75%) e o encarecimento do tradicional prato do brasileiro, o arroz e feijão (de -0,08% para 4,46%).

Os grupos que também apresentaram taxas de variação maiores foram Habitação (de 0,81% para 1,26%), Transportes (de 0,85% para 0,89%), Educação, Leitura e Recreação (de 1,22% para 1,44%), Despesas Diversas (de 0,24% para 0,63%) e Comunicação (de 0,40% para 0,49%). Os itens que tiveram influência relevante para o resultado foram tarifa de eletricidade residencial (de 3,93% para 6,25%), tarifa de ônibus urbano (de 0,27% para 2,38%), cursos formais (de 0,00% para 2,80%), cigarros (de -0,05% para 0,83%) e pacotes de telefonia fixa e internet (de 0,32% para 1,33%).

Houve redução no ritmo de aumentos dos grupos Vestuário (de 0,36% para 0,17%) e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,50% para 0,43%), sob impacto das roupas femininas (de 0,49% para 0,09%) e medicamentos em geral (de 0,14% para 0,05%).