A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, concluiu horas de negociações com ministros e líderes partidários na noite de domingo e chegou a um acordo para estender o tempo de vida de seus 17 reatores nucleares em 12 anos, em média. A decisão provocou alta nas ações de companhias do setor de energia na Bolsa de Frankfurt nesta manhã.

Merkel afirmou que as companhias concessionárias deverão fazer investimentos significativos na segurança das unidades que vão operar por mais tempo do que o previsto anteriormente. Tais investimentos serão somados aos 30 bilhões de euros (US$ 38,6 bilhões) em impostos e taxas que as empresas de energia serão obrigadas a pagar para operar os reatores além de 2021 – o fim do prazo anterior de uso das unidades.

Segundo o acordo alcançado no domingo, os reatores construídos antes de 1980 terão uma ampliação de oito anos em seu tempo de vida, enquanto os construídos posteriormente poderão operar por mais 14 anos. O ministro da Economia alemão, Rainer Bruederle, afirmou que, com a extensão, os 30 bilhões de euros das companhias em impostos sobre combustível nuclear e taxas irão para um fundo de desenvolvimento de energia renovável.

A legislação será apresentada à Câmara Baixa do Parlamento alemão e políticos de oposição argumentam que ela deve ser apresentada também à Câmara Alta. O governo de coalização de Merkel perdeu a maioria na Câmara Alta no início deste ano. As informações são da Dow Jones.