O governo da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, advertiu nesta segunda-feira para o fato de que não se apressará excessivamente para chegar a um acordo entre os credores gregos e o governo do país. “Claro, uma conclusão rápida das negociações é desejável, mas nós não podemos esquecer que isso diz respeito a um programa de três anos, com uma lista abrangente de reformas e medidas adicionais, um programa que deve então ser uma base confiável de longo prazo para a cooperação”, afirmou o porta-voz de Merkel, Steffen Seibert, em entrevista coletiva. “A profundidade vem antes da rapidez.”

Atenas e seus credores estão pressionados para chegar a um acordo até o dia 20, para impedir que a Grécia deixe de pagar uma dívida de 3,2 bilhões de euros (US$ 3,51 bilhões) em bônus ao Banco Central Europeu (BCE).

Funcionários gregos negociam com as instituições que monitoram o programa de ajuda – a Comissão Europeia, o Fundo Monetário Internacional (FMI), o BCE e o próprio fundo de resgate da zona do euro -, com o objetivo de levantar até 86 bilhões de euros e assegurar a primeira parcela de ajuda.

“Nós estamos prontos para um exame rápido [de um acordo] nesta semana, se necessário”, disse o porta-voz do Ministério das Finanças alemão, Juerg Weissgerber, nesta segunda-feira. “A qualidade, porém, vem antes da velocidade.”

Weissgerber disse que a Grécia precisa concordar com “um planejamento orçamentário e fiscal ambicioso, uma estratégia de financiamento digna de crédito e uma reforma sustentável da previdência”. Fonte: Dow Jones Newswires.