O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), avaliou nesta quarta-feira, 29, que a retomada das operações na hidrovia Tietê-Paraná, paralisadas desde maio de 2014, possa ocorrer até o final do ano, se forem concretizadas as previsões de maiores volumes de chuva no Estado, por conta fenômeno El Niño. “Deveremos ter um El Niño forte, a expectativa dos institutos de pesquisas do clima é que deve chover no final do ano e, então, o mais rápido possível recompor a hidrovia Tietê-Paraná, o que reduz custo de logística”, disse. “Vai depender das chuvas, vamos tentar abreviar o mais rápido possível”, completou Alckmin em entrevistas a jornalistas em Campo Grande (MS), distribuída pela assessoria do governador.

Alckmin lembrou que a paralisação da Tietê-Paraná ocorreu após a forte estiagem do ano passado e que o governo federal por meio do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) priorizou a produção de energia nas hidrelétricas ao longo da hidrovia. “Temos mais de R$ 1 bilhão de investimento, Estado e União, na proteção de pilares e pontes e para aprofundamento do calado. E trabalhamos com o ONS para subir as barragens de Três Irmãos e Ilha Solteira”, explicou.

O governador paulista participou, ao lado do governador sul-mato-grossense, Reinaldo Azambuja (PSDB), da abertura da etapa de Campo Grande (MS) da ExpoCorte. Alckmin assinou ainda uma parceria para pesquisa e desenvolvimento em pecuária entre o Instituto de Zootecnia (IZ), ligado ao governo de São Paulo, e a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul).

Após os eventos, Alckmin defendeu o setor da agricultura e da pecuária e afirmou que “quem está segurando a peteca do emprego e da economia é o agronegócio”. Ainda segundo o governador paulista, a valorização do dólar beneficia o setor de proteína animal por conta das exportações.