A Federação da Agricultura do Paraná (FAEP) enviou pedido ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que o Governo Federal providencie mais recursos de financiamento a juros controlados de 8,75%, destinados aos produtores do Estado. A proposta do presidente da Faep, Ágide Meneguette, é que o Governo obtenha meios para retomar os financiamentos, elevando os recursos direcionados para a equalização da taxa de juros no Orçamento Oficial de Crédito. E que a operação seja feita a tempo do plantio da safra de verão. O pedido também foi encaminhado aos ministros da Agricultura, Fazenda, Planejamento, Desenvolvimento Agrário e a deputados e senadores do Congresso Nacional

Nos últimos dias, dezenas de produtores paranaenses não tiveram sucesso ao procurar as agências bancárias e ligaram para a Faep, denunciando a escassez de recursos de custeio e investimento agrícola. Os gerentes das agências bancárias dizem que não há mais financiamento a juros de 8,75%. Os bancos ainda têm alguma disponibilidade, mas o problema está no fato de as demais linhas terem um custo mais caro. O Finame Agrícola Especial, por exemplo, cobra juros de 13,95% ao ano, mas é acrescido de um índice de 4% sobre o valor do bem financiado, que a maioria das empresas transfere para os mutuários.

Segundo levantamento da FAEP, além do custeio, há outros programas com a capacidade de empréstimo esgotada, como o Pronaf- Investimento, Moderfrota, Moderinfra e Moderagro. Um dos mais expressivos é o Moderfrota, responsável pela modernização do parque de máquinas agrícolas do País. Mesmo a taxas de 9,75% a 12,75% ao ano, diz Meneguette, o programa foi uma importante ferramenta para aumentar os índices de produtividade nas últimas safras agrícolas. “O Moderfrota precisa continuar”, acentua.