As importações brasileiras de combustíveis e lubrificantes devem cair 22,6% em 2015 em relação a 2014, segundo previsões da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). O volume importado passaria dos US$ 38,235 bilhões estimados para este ano para US$ 29,610 bilhões no ano que vem.

As importações de petróleo teriam recuo de 29,3%, de US$ 15,155 bilhões neste ano para US$ 10,71 bilhões no próximo. Já as importações dos demais produtos do segmento seriam 18,1% menores, de US$ 23,08 bilhões para US$ 18,9 bilhões.

A importação de bens de consumo deve registrar um tombo de 10,5%, de US$ 38,98 bilhões em 2014 para US$ 34,9 bilhões. Os bens não duráveis terão recuo de 10,5%, de US$ 18,55 bilhões para US$ 16,6 bilhões no ano que vem, enquanto os bens de consumo duráveis devem registrar queda de 10,4%, de US$ 20,43 bilhões para US$ 18,3 bilhões.

A importação de bens de capital deve ter retração de 6,5%, de US$ 48,2 bilhões para US$ 45,05 bilhões. As matérias primas e produtos intermediários devem ter recuo de 6,3%, de US$ 104,2 bilhões em 2014 para 97,66 bilhões em 2015.

Superávit

A AEB divulgou também que espera que o País encerre o ano de 2015 com superávit comercial, mas como resultado de uma queda maior nas importações do que nas exportações.

Segundo a AEB, as exportações brasileiras devem somar US$ 215,360 bilhões em 2015, o equivalente a uma queda de 4,3% em relação aos US$ 225,033 bilhões em exportações estimados para 2014. Já a estimativa para as importações é de US$ 207,220 bilhões no ano que vem, recuo de 9,8% ante os US$ 229,615 bilhões previstos para este ano.

Como resultado, o Brasil teria um superávit de US$ 8,140 bilhões em 2015, após o déficit previsto de US$ 4,582 bilhões em 2014.