As vendas de novas cotas de consórcios atingiram 1,55 milhão de unidades entre janeiro e setembro deste ano, o que indica uma alta de 6,2% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados hoje pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac). Em setembro, os participantes do sistema somaram 3,95 milhões de pessoas, um crescimento de 5,9% em relação a um ano antes. Na mesma base de comparação, as contemplações aumentaram 4,3%, para 731,9 mil. O sistema de consórcios registra um volume de negócios de R$ 45 bilhões no acumulado do ano, gerando mais de 50 mil empregos.

No setor de veículos leves (automóveis, utilitários e camionetas), a venda de novas cotas aumentou 23,3% no acumulado do ano, somando 400 mil unidades, enquanto o número de participantes cresceu 14,1% em setembro ante igual período de 2009, para 1,06 milhão. As contemplações, por sua vez, cresceram 9,9% no acumulado dos primeiros nove meses de 2010, para 160,5 mil, e o valor médio das novas cotas subiu 25%, para R$ 40 mil.

Na avaliação de Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da entidade, o atual desempenho é reflexo da consciência do brasileiro em utilizar os consórcios como forma de planejamento financeiro e de poupança programada. Segundo ele, os indicadores levam a crer que, até o fim deste ano e já projetando 2011, o Sistema de Consórcios deverá superar os quatro milhões de participantes ativos, considerando todos os tipos de produtos, como veículos, imóveis, eletroeletrônicos e serviços.

Segundo estudos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Índice de Expectativas das Famílias apresentou uma dívida média, entre as famílias brasileiras, 22% menor entre agosto e outubro deste ano. Em nota, a Abac observa que fatores como o aumento de disponibilidade de renda entre as classes C e D são uma forte impulsora para a produção de veículos e de aceleração na indústria da construção civil.

Imóveis

As vendas de novas cotas de consórcios de imóveis cresceram 10,6% entre janeiro e setembro deste ano, na comparação com igual período do ano passado, somando 169,6 mil unidades, de acordo com a Abac. A procura por um imóvel de maior valor também pode ser confirmada pela alta no valor médio das cotas, que teve aumento de 21,7%. Com isso, o valor médio da carta de crédito para a compra do imóvel passou de R$ 83,655 mil em setembro do ano passado para R$ 101,578 mil. O total de pessoas que tem um consórcio de imóvel cresceu 7,8%, para 568 mil em setembro, segundo a entidade. Nos nove primeiros meses do ano, 50 mil pessoas foram contempladas.