Foto por: Francisco Leong

O técnico da seleção brasileira, Dunga, afirmou após a partida em que o Brasil não passou do 0-0 com Portugal que o jogo foi duro, mas que na opinião dele seu time procurou o ataque até o fim. Além disso, garantiu que a equipe titular estará completa nas oitavas de final, contra o Chile.

¨Foi duro até o final, teve muitas faltas, sem dar sequência às jogadas, dificultou um pouco a nossa equipe. Tivemos duas ou três chances boas para fazer gol¨, declarou o treinador no estádio Moses Mabhida, em Durban, local da partida contra os lusitanos.

Com o empate, o Brasil encerrou a primeira fase da Copa do Mundo com sete pontos e na liderança do Grupo G. Assim, a seleção retorna a Johannesburgo, onde enfrenta na segunda-feira o Chile, segundo colocado da chave H.

Ao ser questionado sobre o fato do técnico de Portugal, Carlos Queiroz, ter culpado o Brasil pelo primeiro tempo violento, que terminou com sete cartões amarelos (quatro para os lusitanos e três para a seleção), Dunga defendeu seus jogadores.

¨Devolvo a pergunta para ele. O Brasil já estava classificado, e isso já explica tudo, não temos mais o que falar¨, disse.

O jogo foi marcado especialmente pelas faltas entre Felipe Melo e o brasileiro naturalizado Pepe. Ambos foram advertidos pelo árbitro mexicano Benito Archundia no fim da primeira etapa e o camisa 5 da seleção deixou o campo com dores no joelho para dar lugar a Josué.

Mas o treinador admitiu que o jogo poderia ser melhor, apesar de ter feito a ressalva de que o Brasil buscou atacar o tempo todo.

¨Não só eu, como os jogadores não estamos felizes. Nós jogamos para ganhar, queremos ganhar sempre. Mesmo com o resultado a nosso favor, faltando cinco minutos para acabar o jogo, nós tentamos atacar¨.

¨A equipe adversária não queria atacar, jogou a maior parte do tempo no nosso erro. Mas eu não tenho que me preocupar muito com a equipe adversária, tenho que me preocupar com a minha. A minha buscou sempre atacar, mesmo sabendo que a vantagem era nossa faltando poucos minutos. Esta é uma característica do Brasil¨, completou o treinador, apesar do segundo tempo apagado da seleção.

O treinador não contou com Kaká, suspenso pela expulsão no jogo contra a Costa do Marfim, Elano, preservado por sentir dores desde que foi substituído contra os marfinenses, e Robinho, poupado por estar com dores musculares, mas garantiu que todos estarão de volta sem problemas nas oitavas de final.

E Dunga comentou na entrevista que o jogador que mais fez falta dos três foi Robinho, que segundo o treinador tem a capacidade de driblar em espaço reduzido, já que o jogo contra os portugueses foi muito fechado.

O técnico também elogiou os substitutos do trio, Julio Baptista, Daniel Alves e Nilmar.

Ele fez uma avaliação positivia da primeira fase do Brasil, que antes do 0-0 com Portugal venceu a Coreia do Norte por 2-1 e derrotou a Costa do Marfim por 3-1.

¨O time foi regular dentro da competição, fez os resultados que tinha que fazer, teve uma postura de equipe, jogou futebol quando tinha que jogar, foi forte quando teve que jogar, correu quando tinha que correr. Não deixou a desejar nada.¨.

¨Temos que evoluir, melhorar, quanto mais o grau de dificuldade aumenta, mais nós temos que nos superar e melhorar¨, acrescentou.

Dunga também disse não escolher adversários em uma Copa do Mundo e que o rival mais importante é sempre o próximo. E alfinetou um jornalista argentino, que o questionou se era um alívio não ter que enfrentar a equipe de Maradona antes de uma possível final.

¨Acho que nós pensamos nos adversários que nós temos pela frente. Se o Brasil tem que se preocupar com a Argentina, você como argentino deve ter visto os últimos resultados do Brasil contra a Argentina, principalmente nas eliminatórias¨, disse, em referência à vitória brasileira de 3-1 em setembro do ano passado em Rosario.

A seleção brasileira volta ainda nesta sexta-feira a Johannesburgo, onde na próxima segunda-feira disputa as oitavas de final no estádio Ellis Park, o mesmo da estreia contra a Coreia do Norte.