O dólar oscilou em alta o dia todo no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e fechou cotado a R$ 2,16, com ganho de 0,49%. No mercado interbancário, o dólar comercial fechou na taxa máxima do dia, a R$ 2,162, alta de 0,60%.

Segundo operadores, a correção do câmbio refletiu a reação negativa dos mercados à variação acima do esperado do índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) de novembro nos Estados Unidos e também um movimento de ajuste de carteiras, estimulado pela forte redução de 85% no volume de posição comprada em câmbio dos bancos até o dia 15, segundo o Banco Central.

No leilão cambial à tarde, o Banco Central comprou dólar à taxa de corte de R$ 2,159. Segundo um operador, foram aceitas cerca de quatro propostas (de quatro bancos) de um total de 14 propostas apresentadas com taxas de R$ 2,1575 a R$ 2,160. Cinco bancos não declararam as taxas pedidas.