Brasília – Os deputados Laura Carneiro (PFL-RJ) e Wellington Roberto (PL-PB) foram inocentados há pouco por 11 votos a 0 e 9 a 0, respectivamente, no Conselho de Ética da Câmara. Dez parlamentares têm julgamento previsto para hoje por acusação de participar do esquema de compra superfaturada de ambulâncias com dinheiro público e três já foram absolvidos – o outro é João Correia (PMDB-AC).

O deputado e líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ), disse que as absolvições mostram que a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Ambulâncias foi precipitada. "Se existia um esquema de corrupção no Congresso na apresentação de emendas, esse esquema só existia porque a Planam tinha dentro do governo a garantia de liberação desses recursos. Como no relatório final ninguém do governo foi indiciado, fica uma pergunta: como podem 69 parlamentares serem encaminhados para o Conselho de Ética se não há ninguém do governo indiciado?"

Maia lamentou não ter tido forças para convencer a instituição de que Laura Carneiro é inocente antes de seu caso chegar ao Conselho de Ética. "Sempre tive certeza da inocência da deputada. O suposto depósito na conta dela, foi comprovado que não existia".

A deputada, que chorou muito durante a sessão, comentou que se sentiu injustiçada, uma "bruxa na fogueira da Inquisição". "Acho que foi uma leviandade o que fizeram, pelo menos no meu caso. A pressa da CPMI, a falta de se juntar os elementos, juntar as provas e ouvir os parlamentares. Não tenho uma emenda de ambulância [sequer]". Laura Carneiro não conseguiu se reeleger.

No momento, está sendo julgado o deputado Wellington Fagundes (PL-MT).