O Parque Histórico do Mate, localizado no município de Campo Largo, no quilômetro 17 da BR-277, será fechado no início do próximo ano para passar por uma completa revitalização. Na semana que vem o projeto deve ser apresentado à sociedade. A intenção é angariar recursos para a conclusão da obra em parcerias com a iniciativa privada.

O parque é ligado ao Museu Paranaense da Secretaria de Estado da Cultura. Criado em 1974 para contar a história do ciclo do mate no Estado -que durou da emancipação política em 1853 até a grande crise de 1929 – hoje o local já não chama mais a atenção do grande público. “Tampouco recebeu o tratamento necessário por parte dos governantes nos últimos oito anos, quando a manutenção foi praticamente abandonada”, reclama a diretora do parque, Elaine Moro Costa.

Elaine destacou que os primeiros recursos para o início da obras já foram conseguidos. “O Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) está nos ajudando com R$ 138 mil”, revelou, destacando que para toda a revitalização do parque são necessários R$ 800 mil. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Empresa Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) doaram ao parque 2 mil mudas de erva-mate e 50 mil mudas de Araucária. “Nossa intenção é criar trilhas ambientais e dotar o parque de uma estrutura com lanchonetes, miniauditório para palestras, lojas para vender produtos relacionados ao tema, etc.”, explicou.

A estrutura que reproduz um antigo engenho de mate da segunda metade do século XIX é o que mais preocupa a administração do parque devido ao seu estado de conservação.

A diretora lamenta que atualmente o número de visitantes não ultrapassa a 200 ao mês. Além disso, a quase totalidade procura o local somente para fazer piqueniques e não para conhecer a sua história.