O desmatamento na mata atlântica caiu 71% nos últimos cinco anos segundo dados preliminares do projeto de revisão do Atlas dos Remanescentes Florestais do bioma. Entre 2000 e 2005, foram desmatados 941 km2 de mata nativa, ante 3.250 km2 no período 1995-2000.

Um bem-vindo refresco para um dos hotspots mais ameaçados do planeta, na data em que se comemora o Dia da Mata Atlântica. A má notícia é que a destruição continua, ainda que em ritmo mais lento. Além disso, parte da redução se deve ao simples fato de que quase não há mais o que desmatar fora de áreas protegidas e de difícil acesso, como encostas de montanhas.

"Houve uma redução absurda do desflorestamento, mas se você considerar o pouco que resta do bioma, ainda é muito", diz a diretora de projetos e coordenadora do Atlas pela organização SOS Mata Atlântica, Marcia Hirota. "Do ponto de vista da conservação da biodiversidade, a situação continua crítica.

A mata atlântica já cobriu 15% do território brasileiro, mas hoje está reduzida a 1% (ou 7% de sua cobertura original). O bioma abriga quase 380 espécies ameaçadas de animais, 84% delas endêmicas – ou seja, que não existem em nenhum outro lugar.

Cinco Estados registraram redução acumulada de desmatamento acima de 80%: Espírito Santo, Paraná, Rio, Rio Grande do Sul e São Paulo. Apenas dois tiveram aumento: Goiás e Santa Catarina. O levantamento ainda não foi concluído para Minas e Bahia.