A taxa de desemprego em abril foi a mesma de março, 10,8%, mas apresentou queda
de 2,3 pontos percentuais em relação a abril do ano passado, quando o índice
ficou em 13,1%. Os dados foram divulgados hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a Pesquisa Mensal de
Emprego de abril de 2005, o rendimento médio do trabalhador caiu 1,8%, depois de
três meses de recuperação, mas o poder de compra dos salários aumentou 0,8%, se
comparado a abril de 2004. A pesquisa também mostra aumento de 6,4% no número de
trabalhadores com carteira de assinada, em relação a abril do ano
passado.

Entre as atividades, apenas a indústria extrativa e de
transformação, produção e distribuição de eletricidade, gás e água apresentou
uma redução significativa no número de vagas em comparação com março: -2,9%, o
que representa uma redução de 100 mil postos de trabalho em um mês. Por outro
lado, o setor de serviços domésticos vem se destacando como o que mais oferece
novas vagas no mercado. Em um ano, o número de trabalhadores nos serviços
domésticos cresceu 10,4%.