Depois de José Genoino foi a vez de Valdemar Costa Neto pedir e obter, em prazo de poucas horas, a aposentadoria da Câmara dos Deputados, com proventos mensais de R$ 5.540,00. O ex-presidente do PT, com algum tempo a mais de mandato, levou a bagatela de R$ 8.148,79. E estamos conversados.

Na Casa presidida pelo poderoso chefão Severino Cavalcanti, cuja primeira obra a ser deixada para a posteridade foi a equiparação do salário dos deputados ao dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), medida abortada pelo imediato repúdio da sociedade, amarração burocrática é remédio administrado somente aos adversários.

Genoino e Costa foram aposentados em velocidade supersônica e, embora tivessem o direito de exigir remuneração proporcional ao montante recolhido para a previdência parlamentar, a prerrogativa remete ao degradante tratamento dispensado aos milhões de trabalhadores assistidos pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS).

Filas imensas, exigências draconianas e pesquisas intermináveis para comprovação do tempo de serviço transformam em verdadeiro suplício um processo que deveria ser simples e direto como ocorre na Câmara dos Deputados.

Afinal, os contribuintes mantêm uma rede pública situada entre as mais onerosas do planeta, cuja qualidade dos serviços, entrementes, prima pelo descaso e humilhação dos beneficiários.