A deputada estadual admitiu ter
sido titular de uma conta CC5.

A deputada estadual Arlete Caramês (PPS) admitiu hoje publicamente ter sido titular de uma conta CC5 e que seu nome pode estar na relação das pessoas que remeteram recursos ao exterior por meio da agência do Banestado em Nova Iorque. Os nomes foram armazenados em CD-ROM que estão sendo mantidos em sigilo pela CPI do Banestado.

A revelação de Caramês foi feita na sessão de hoje à tarde na Assembléia Legislativa, durante pronunciamento do deputado Valdir Rossoni (PSDB). Ele negava ser um dos integrantes da lista de 47 políticos paranaenses que operaram contas CC5 na mesma agência. A lista foi entregue na semana passada aos deputados da CPI do Banestado pelo delegado da Polícia Federal, José Castilho Neto. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)