O diretor-geral da Polícia Federal (PF), Paulo Lacerda, designou o delegado Rodrigo Carneiro Gomes para dirigir o inquérito aberto hoje com o objetivo de apurar a denúncia de quebra ilegal de sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa, mais conhecido "Nildo", como informou a assessoria da corporação. "Nildo", em entrevista em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, contradisse a afirmação do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, de que nunca estivera na mansão de Brasília que teria sido usada por supostos lobistas – ex-assessores dele – para prática de negócios ilícitos.

Gomes, de 34 anos, da Diretoria de Combate ao Crime Organizado (Dcor) e considerado um dos delegados mais eficientes da nova geração da PF, integrou a Corregedoria da instituição, encarregada de apurar eventuais crimes internos. Gomes ainda definirá uma agenda de depoimentos, mas é certo que convocará, imediatamente, assessores da Caixa Econômica Federal (CEF) e do Ministério da Fazenda, sobre os quais recaem as principais suspeitas de participação na quebra do sigilo do caseiro e no vazamento das informações.