Policiais da Delegacia do Meio Ambiente apreenderam um caminhão que transportava 83 galões de 250 litros de cloro concentrado e um galão de soda cáustica. A apreensão foi feita na BR-116, próximo ao Ceasa, no bairro Tatuquara, em Curitiba. O produto, que deveria ser transportado por um caminhão tanque, estava acomodado em tonéis sem lacre, sem identificação do produto e sem instruções de uso.

Segundo do delegado Wilceomar Voltaire Garcia, da Delegacia do Meio Ambiente, a falta dessas orientações pode causar acidentes com quem manuseia o material. “Esse produto, na forma concentrada, é altamente corrosivo e, em caso de um acidente na estrada, pode causar danos incalculáveis para o meio ambiente e para as pessoas envolvidas. A carga iria atravessar o Brasil de uma forma completamente arriscada”, explica Voltaire.

O motorista, que mora no Acre, aceitou transportar a carga da Fábrica Mazarolo, de Garuva/SC. Ele está preso na Delegacia do Meio Ambiente. O delegado explica que a fábrica responsável já estava sendo monitorada pela polícia. “Durante o projeto Verão Ambiental nós descobrimos que uma empresa de Garuva estava vendendo produtos químicos sem identificação para o comércio do litoral paranaense. Foi aí que decidimos intensificar o policiamento na divisa com Santa Catarina e conseguimos pegar a primeira carga grande”, relata. O delegado diz que os responsáveis pela empresa foram intimados a comparecer na delegacia para prestarem depoimento. Ele vai pedir auxílio do Ministério Público para ajudar no processo, já que a empresa é de outro estado.

Mais blitze preventivas serão feita nas estradas para fiscalizar cargas que entram no Paraná. “O que tem acontecido até agora são ações para remediar acidentes, mas nós queremos evitar desastres e agir antes que eles aconteçam”, completa Voltaire.