O governo federal decide até o próximo dia 1º de junho se reajusta ou não a tabela do Imposto de Renda Pessoa Física. A informação foi dada pelo presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, após reunião com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, e representantes das centrais sindicais. Segundo Marinho, o governo admitiu que pode reajustar a tabela do imposto e criar novas alíquotas.

Para as centrais sindicais seria necessária uma correção de 55,32% na tabela em relação a 2004. “Tenho certeza que nós vamos arrancar a correção da tabela. Quanto, ainda não sabemos”, disse Marinho. O presidente da CUT revelou que durante a audiência foi levantada a possibilidade de se criar novas alíquotas do imposto, variando de 5% a 30%. Atualmente, existem apenas duas alíquotas – 15% e 27,5% – incidindo sobre a renda dos brasileiros.

“Queremos mudar essa lógica de quem ganha menos paga mais, e quem ganha mais paga menos”, disse o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista, José Lopez Feijó.