Debate sobre o referendo que definirá a proibição da venda de armas no Brasil abriu, nesta segunda-feira, o segundo dia da 5.ª Conferência Executiva de Segurança Pública para a América do Sul (IACP), realizada no Centro de Convenções de Foz do Iguaçu. Os deputados federais Roberto Freire (PPS/PE), representando a frente do ?sim?, e João Alberto Fraga Silva (PFL/DF), que representa o ?não?, se enfrentaram na discussão que durou mais de duas horas e foi transmitido ao vivo pela TV Educativa.

O secretário da Segurança Pública do Paraná, Luiz Fernando Delazari, foi o mediador da discussão. ?Este debate entre duas reconhecidas autoridades nacionais no assunto com certeza pode ter sido decisivo para quem estava em dúvida e acompanhou a discussão?, disse Delazari.

O deputado federal Fraga Silva embasou sua argumentação dizendo que os últimos dados sobre segurança pública provam que os estados brasileiros não conseguiram diminuir a criminalidade nas grandes capitais com a campanha do desarmamento. ?O que querem é nos tirar o direito de defesa. O governo não conseguiu defender o cidadão e não tem o direito de tirar a única chance que ele tem de se defender?, enfatizou.

Roberto Freire defendeu sua posição com o principal argumento de que é preciso buscar uma sociedade cada vez mais justa e humanista. ?Já estamos evoluindo ao debater com a população esta questão. Estamos discutindo aqui que tipo de sociedade queremos ter: aquela em que predomina o direito de todos andarem armados, e então voltaremos à idade da pedra, ou aquela para a qual a sociedade já está caminhando, que prima por uma visão mais humanista. A segurança da vida é um bem coletivo e a segurança pública é a ferramenta moderna para garantir isto?, disse.