O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), João Felício, considerou "muito bem-vinda" a medida provisória que estabelece o novo valor do salário mínimo. A medida, assinada ontem (30) pelo presidente Lula eleva o mínimo para R$ 350 a partir de 1º de abril.

O projeto de lei que tratava do aumento ainda não tinha sido votado pelo Congresso Nacional. "Esse projeto está no Congresso Nacional há muito tempo e até hoje a Câmara dos Deputados não o votou. Foi um acordo feito com as centrais sindicais, que resultou em um bom aumento real para o salário mínimo", lembra Felício.

"É uma questão que mexe com a vida de uma parcela significativa da população brasileira. Nós concordamos que fosse editada a medida provisória para que essa população mais pobre do país passe a receber o salário-mínimo a partir de 1º de abril."

O presidente da CUT espera que o Congresso Nacional discuta com o governo e as centrais uma política de reajuste anual do mínimo, evitando assim as negociações anuais. Para ele, os parlamentares poderiam aproveitar a discussão sobre o aumento, chamando as centrais sindicais e o Ministério do Trabalho para fazer um acordo.

"Se tiver boa vontade do Congresso Nacional, é possível fazer acordo sobre a questão ainda nesse semestre", acredita o sindicalista.