Os municípios das regiões de Curitiba e de Londrina ofereceram 38.473 vagas de trabalho no mercado formal paranaense durante o período compreendido entre os meses de janeiro e agosto deste ano. O número corresponde a 42,9% das 89.528 vagas geradas no Estado durante o mesmo período.

A pesquisa foi realizada pela Coordenadoria de Estudos e Relações de Trabalho da Secretaria do Trabalho, Emprego e Promoção Social, baseado nos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged-MTE). Do total dos 89.528 postos de trabalho, 27.036, mais de 30%, estiveram concentradas na Região do escritório Regional de Curitiba, que comporta 36 municípios do litoral e da Região Metropolitana da capital.

O secretário do Trabalho, padre Roque Zimmermann, diz que as cidades de maior porte do Estado, como Curitiba e Londrina, concentram empregos em determinados setores. ?Os setores de construção civil e de serviços, que estão em destaque nas grandes cidades, oferecem também uma média salarial mais alta em relação às outras atividades?, analisa o secretário.

Ainda segundo o estudo, os trabalhadores contratados no Estado durante os dois quadrimestres deste ano obtiveram um salário médio de R$ 496,94, valor 65% maior que o salário mínimo. No mesmo período do ano passado, a média salarial do trabalhador alcançou R$ 452,68.

Os trabalhadores da região de Curitiba conquistaram a maior média de salários nesse período, auferindo uma média de R$ 583,16. Os municípios da região de Ponta Grossa alcançaram a média de R$ 520,59.

Outros números

Segundo o secretário padre Roque, analisando as vagas por setor de atividade econômica, percebe-se que a maior concentração ficou na área de serviços, com 29.961 vagas (33,5% do total), seguido por indústria de transformação, com 27.100 vagas e do setor de comércio, com 16.779.

Os municípios da região noroeste do Paraná se destacaram pela oferta de trabalho no setor da agropecuária, com 10.395 vagas no acumulado de oito meses.