O Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) divulgou, nesta terça-feira, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do mês de agosto, para famílias que recebem de um a 40 salários mínimos.

De acordo com a pesquisa, o índice do mês de agosto foi de 0,08% em Curitiba, o que significa estabilidade nos preços dos produtos e serviços da Capital paranaense, uma vez que o índice aproxima-se muito de zero.

A taxa de agosto ficou 0,66 ponto percentual inferior à de julho. O acumulado do ano está em 2,73% e dos últimos 12 meses (setembro de 2004 a agosto de 2005) em 4,71%.

A maior influência para o índice geral, segundo o economista Gino Schlesinger, ainda foi do grupo Transporte e Comunicação que teve alta de 1,64%.

Os itens que mais influenciaram o comportamento do grupo foram: serviço de telefonia residencial (5,38%), automóvel de passeio nacional zero (1,20%), tarifa de ônibus urbano (1,88%), automóvel de passeio e utilitário usado (0,67%), gasolina (1,66%), automóvel de passeio importado zero km (4,59%), álcool combustível (2,86%), passagem de avião (5,12%) e seguro voluntário de veículo (5,40%).

Também apresentando alta nos preços de seus produtos e serviços, o grupo Habitação fechou agosto em 0,99%, pressionado, principalmente, pelo aumento da energia elétrica (4,7%) e condomínio (1,27%).

Em contrapartida, os demais grupos pesquisados apresentaram quedas nos preços de seus produtos e serviços, contribuindo para que a inflação da Capital diminuísse 0,66 ponto percentual em relação ao mês de julho, quando o índice foi estimado em 0,74%.

Vestuário, grupo com segunda maior influência para o IPC de agosto, a queda nos preços foi de 3,54%, puxado por: camisa masculina (-7,23%); blusa feminina (-8,76%); agasalho feminino (-14,75%); camiseta feminina (-20,71%); agasalho masculino (-11,44%) e sapato feminino (-5,39%).

Pelo terceiro mês consecutivo, Alimentos e Bebidas teve queda, terminando agosto em ?0,43%, pressionado pelo comportamento de leite pasteurizado (-3,85%); batata-inglesa (-13,27%); e tomate (-10,50%.). Já ?Artigos de Residência? e ?Saúde e Cuidados Pessoais?, tiveram quedas de 1,10% e 0,43%, respectivamente.

Em Artigos de Residência, a principal influência foi o preço do item microcomputador, que variou cerca de ?8,46%. Já em Saúde e Cuidados Pessoais, foram os itens planos de saúde (-3,71%) e psicólogo e fisioterapeuta (-2,39%).

O grupo Despesas Pessoais manteve-se praticamente estável, variando apenas ?0,03%. As maiores influências para este resultado: casas noturnas (-9,57%), e ingresso de futebol (-10,45%). Observa-se com alta, a influência de excursão turística (7,86%).

O Índice de Preços ao Consumidor, calculado pelo Ipardes, é divulgado mensalmente e está disponível no site do Instituto, www.ipardes.gov.br. Para o período de referência, foram coletados aproximadamente 81 mil preços de 341 produtos e serviços.