O usuário de drogas José Luiz Rodrigues dos Santos, 21 anos, levou pelo menos cinco tiros, às 23h de segunda-feira, em Pinhais, mas sobreviveu. A tentativa de homicídio aconteceu na Rua Cuiabá, Alto Tarumã, na frente da casa onde ele mora com a família.

Mesmo ferido, o rapaz conseguiu correr até a casa de um vizinho para pedir ajuda, mas caiu na calçada. Os socorristas do Siate o levaram em estado grave ao Hospital Cajuru. Enquanto aguardava socorro, com dificuldades, o ferido disse que o atirador é conhecido na vila como “Romário”.

Drama

Ao lado da ambulância, um homem, de chapéu cobrindo os cabelos grisalhos, acompanhava apreensivo o trabalho dos socorristas. José Rodrigues dos Santos, 66, deu o mesmo nome ao filho, que há três anos deixou o trabalho, os amigos, a família para viver a dependência no crack.

“Dei conselhos, tentei interná-lo várias vezes e ele sempre fugia. Peço a Deus que ele consiga sair dessa e que isso sirva de lição para que ele mude de vida e volte ser o bom menino que sempre foi”, contou o pai, aos prantos.

O vizinho que chamou o Siate confirmou que a droga transformou a vida do rapaz. “Ele trabalhou comigo, sempre foi muito responsável e trabalhador, mas depois que conheceu o crack tudo mudou. Uma vez levei-o a uma clínica terapêutica no interior do Estado. Ficou por lá um tempo e voltou gordo, animado e limpo. Mas isso durou apenas alguns dias. Logo reencontrou os velhos amigos e caiu na droga novamente”.

Violência

Na vila onde José Luiz foi baleado ocorreram dois assassinatos, nos últimos meses. Na manhã de 24 de maio, o também usuário de drogas Silas Nogueira, 29, foi brutalmente agredido na Avenida Porto Velho, e morreu horas depois no Hospital Cajuru. Na noite de 18 de maio, a vítima foi Lindomar Rodrigues da Cruz, 32, assassinado a tiros, também na Rua Cuiabá.