A Rua Vicente Machado, no Batel, palco da ação de fiscalização da prefeitura de Curitiba na noite de quinta-feira (12), não é a mais barulhenta da capital. Pelo menos não nos registros recentes do 156, serviço de atendimento ao cidadão. Entre 1.º de outubro de 2016 e 1.º de janeiro de 2017, foram feitas seis reclamações contra a poluição sonora noturna no local. A rua com mais registros foi a Trajano Reis, no São Francisco, que também tem grande concentração de bares, com 17 no período.

A batida policial na Vicente Machado, rua onde o prefeito Rafael Greca (PMN) mora, recebeu elogios de curitibanos e dos próprios comerciantes do endereço, mas também muitas reclamações quanto à escolha do local. Greca rebateu, dizendo que balada não o incomoda e que a ação não tem relação com o fato de ele residir na via.

No banco de dados disponível do 156, constam 426 reclamações referentes a poluição sonora noturna. O Batel é o bairro com maior número de ocorrências. A maior parte das reclamações do bairro é referente à Avenida Visconde de Guarapuava.

O São Francisco e o Centro aparecem em seguida em número de solicitações via 156, mas bairros da região Sul também têm muitos registros. Sítio Cercado, Novo Mundo e Cidade Industrial tiveram, juntos, 64 ocorrências.

A resposta da prefeitura aos cidadãos que reclamaram é padrão: que o caso foi encaminhado para fiscalização da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, e que maiores informações podem ser obtidas nesse órgão.

Em dois casos, quando o reclamante não forneceu o número predial do local que estaria fazendo barulho, a prefeitura respondeu que não poderia fazer a fiscalização. Do total de reclamações no período, apenas um dizia respeito a ruído de trens, para o qual a resposta foi que o tema é regulado por legislação federal e que a prefeitura nada pode fazer.