Quem precisar ativar o Serviço de Apreensão de Cães Ferozes (Sacaf) para recolher um animal agressivo ou de grande porte que esteja solto na rua pode ficar sem atendimento — e tem sido assim há cerca de um ano. O motivo é a obra no Centro de Controle de Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde, segundo a prefeitura de Curitiba.

Foi o caso do jornalista Marcos Felipe Monteiro, morador do bairro Pinheirinho. Na madrugada de 28 de julho, ele foi surpreendido por um pitbull solto na frente de sua casa. Visivelmente agitado, o animal ameaçava entrar nas casas da vizinhança, tentando pular os muros baixos da região. “O cachorro estava alterado, bem agressivo, latindo. Descobrimos depois que ele era de uma obra próxima. O dono deixou ele para cuidar, mas entraram lá e abriram o portão para ele fugir”, contou.

Monteiro então procurou auxilio na internet para saber o que fazer e encontrou uma orientação para procurar o Sacaf. Quando ligou para a Guarda Municipal para pedir o serviço, no entanto, descobriu que ele não estava operando. “Essas foram as palavras da pessoa que me atendeu: que o serviço existe no papel, mas, na prática nunca existiu”.

O problema, segundo a prefeitura, é que não existe espaço para deixar os animais até que os donos irem buscá-los. Além disso, falta alimentação para os cães que já foram apreendidos. E, no caso de Monteiro, o guarda não pôde tomar nenhuma medida. “Ele até admitiu que era uma situação de risco, mas afirmou que não podia fazer nada”.

Desde dezembro de 2005, quando foi desativado o serviço da carrocinha, que recolhia cachorros das ruas, a Guarda Municipal era a responsável por recolher animais ferozes e de grande porte das ruas. A obra no Centro de Zoonoses, porém, paralisou os atendimentos. Apesar de não estipular um prazo, a administração municipal afirma que estão sendo feitos ajustes para que seja retomado o serviço de remoção de animais ferozes.

Monteiro cobra uma solução para quem vive problemas similares. “É uma situação complicada. A gente fica sem ter o que fazer. Nossa esperança é que a prefeitura faça algo”, concluiu.

Orientação

Mesmo com o Sacaf desativado, quem tem problemas com animais ferozes deve procurar a Guarda Municipal, pelo telefone 156. A prefeitura ressalta a importância de registrar o pedido e afirma que casos pontuais são atendidos mesmo enquanto o serviço passa pela reestruturação.