Os moradores do Jardim Amélia, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, estão sem água desde a tarde do último sábado (04). Com o calor intenso, os moradores precisam improvisar porque não há outra alternativa para garantir o abastecimento de água. Alguns optaram em pegar água em uma bica na Igreja São Miguel Arcanjo, na Rua Nilo Peçanha.

Os moradores relatam que não foram avisados sobre cortes de água e que não conseguem muitas informações sobre o problema no abastecimento. De acordo com o morador Alex Sandro Rodrigues, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) havia dado a previsão de retorno da água ainda no sábado, o que não aconteceu até agora.

Apesar de uma placa da Prefeitura de Pinhais indicar que a água da bica é imprópria para consumo, muitos moradores do Jardim Amélia fizeram fila no local nos últimos dias. Nesta segunda-feira pela manhã não foi diferente.

“Estamos pegando água para fazer comida. A situação fica ainda mais difícil com este calor todo. Quem tem poço em casa se vira. Mas e quem não tem?”, questiona Rodrigues.

Na casa de João Bento, morador do Jardim Amélia, são quatro pessoas. A solução foi pegar água na bica para tomar banho e lavar os banheiros, além de beber. Neste caso, João Bento ferve a água. “Já enchi 12 garrafas pet (cada uma com 2 litros) e mais um balde. Vim de carro para conseguir levar tudo”, comenta.

Os moradores relatam que a água da bica vem de uma mina que fica embaixo da igreja. A bica está no local há mais de 20 anos e eles garantem que nunca tiveram problemas de saúde com a água.

A Sanepar, por meio de assessoria de imprensa, informou que o problema no abastecimento no Jardim Amélia está relacionado com o consumo acima do normal e do previsto pela companhia, em virtude do intenso calor.

A Sanepar já identificou o problema e está realizando manobras na rede para garantir o abastecimento da região. O serviço deve ser normalizado ainda hoje, de acordo com a Sanepar.

A Prefeitura de Pinhais comunicou, por meio de assessoria de imprensa, que já oficiou a Sanepar hoje pela manhã para verificar as razões do desabastecimento e qual o prazo para reestabelecer o serviço.

Sobre a bica, a prefeitura realizou análises, que apontaram falta de condições para consumo. A placa que informa sobre a água ser imprópria foi colocada nos muros da igreja há cerca de dois meses.