Foi dada a largada para a realização das convenções partidárias, quando filiados se reúnem para escolher os nomes dos seus candidatos ao pleito de novembro. Pelo calendário definido pelo Tribunal Superior Eleitoral, as convenções devem ocorrer entre 31 de agosto e 16 de setembro. E, por conta da pandemia do novo coronavírus, os encontros pela primeira vez poderão ser remotos, através da internet. Em Curitiba, parte das legendas já marcou a convenção para o primeiro dia do prazo, nesta segunda-feira (31).

+Leia mais! Disputa para prefeitura de Curitiba tem mais de 15 candidatos. Saiba quem são

Até aqui, quase 20 nomes foram colocados como pré-candidatos à prefeitura da capital do Paraná. Apesar disso, historicamente, não é incomum ver menos pretendentes efetivamente inscritos na Justiça Eleitoral, na etapa que se inicia após as convenções. Em 2016, por exemplo, foram nove candidatos registrados nas urnas, embora o número de pré-candidatos na época tenha sido maior.

Em 2020, contudo, o cenário pode se alterar e Curitiba pode de fato ter mais candidatos na majoritária na comparação com pleitos anteriores, por conta de mudanças nas regras eleitorais. Pela primeira vez, não haverá possibilidade de coligações na eleição proporcional, de vereadores, e, por isso, as legendas entendem que lançar um nome à disputa majoritária pode ser uma estratégia para chamar a atenção e atrair mais votos para os candidatos à Câmara de Vereadores.

Sem disputa interna, mas com indefinição sobre alianças e vices

Em Curitiba, os partidos políticos chegam para as suas convenções sem disputa entre filiados. No PT, no PDT e no Psol, por exemplo, que tinham mais de um pré-candidato à prefeitura de Curitiba, as decisões foram tomadas antes das datas das convenções. No PT, o deputado estadual Tadeu Veneri desistiu da disputa e o correligionário Paulo Opuszka foi o escolhido para o pleito. No PDT quem desistiu foi o deputado estadual Goura, deixando o caminho livre para o deputado federal Gustavo Fruet. No Psol, três filiados chegaram a ser cotados, mas a escolha foi por Letícia Lanz.

Já em relação a alianças e a nomes de vices, há indefinições na maioria das legendas. As negociações mais complexas na corrida à prefeitura de Curitiba mexem com as pré-candidaturas de Rafael Greca (DEM), que tentará a reeleição, e de Ney Leprevost (PSD).

Greca já disse preferir que seu vice continuasse sendo Eduardo Pimentel, que neste ano trocou o PSDB pelo PSD do governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior. Mas a aliança entre DEM e PSD parece improvável, diante da pré-candidatura do deputado federal Ney Leprevost ao Executivo.

Quem busca ser vice de Rafael Greca é o PP do deputado federal Ricardo Barros e da ex-governadora do Paraná Cida Borghetti. Tanto Cida quanto a deputada estadual Maria Victória (PP), filha do casal, são nomes cotados para a cadeira de vice em uma chapa encabeçada por Greca. Se a costura não vingar, Ricardo Barros já disse que a ideia é ter candidato próprio. O PP ainda não tem uma data para fazer sua convenção, mas a indefinição envolvendo Greca deve levar a sigla a se reunir no último instante do prazo.

Entre as alianças mais encaminhadas está a do PSDB com o PSL do Delegado Francishini, deputado estadual e pré-candidato à prefeitura de Curitiba. Os tucanos na capital ainda tentaram ensaiar o lançamento de um nome próprio para a majoritária, via Edson Lau, mas a cúpula nacional do PSDB interferiu no xadrez, e recomendou a aliança com Francischini. PSDB deve fazer sua convenção no dia 10 de setembro, mas a data ainda não está confirmada.

Confira abaixo as datas das convenções já marcadas em Curitiba e os nomes que devem ser confirmados para disputar a prefeitura da capital:

DEM: convenção marcada para 31/08, quando Rafael Greca deverá ser confirmado candidato.

PV: convenção marcada para 31/08, quando Professor Mocellin deverá ser confirmado candidato.

PODEMOS: convenção marcada para 31/08, quando Caroline Arns deverá ser confirmada candidata.

NOVO: convenção marcada para 31/08, quando João Guilherme deverá ser confirmado candidato.

PSB: convenção marcada para 05/09, quando Luciano Ducci deverá ser confirmado candidato.

PSD: convenção marcada para 10/09, quando Ney Leprevost deverá ser confirmado candidato.

PSOL: convenção marcada para 11/09, quando Letícia Lanz deverá ser confirmada candidata.

PSL: convenção marcada para 12/09, quando Delegado Francischini deverá ser confirmado candidato.

PDT: convenção marcada para 12/09, quando Gustavo Fruet deverá ser confirmado candidato.

REDE: convenção marcada para 12/09, quando Eloy Casagrande deverá ser confirmado candidato.

PTC: convenção marcada para 14/09, quando Zé Boni deverá ser confirmado candidato.

PL: convenção marcada para 15/09, quando Christiane Yared deverá ser confirmada candidata.

MDB: convenção marcada para 15/09, quando João Arruda deverá ser confirmado candidato.

PT: ainda não definiu a data da convenção, quando Paulo Opuszka deverá ser confirmado candidato.

REPUBLICANOS: ainda não definiu a data da convenção, quando Luizão Goulart deverá ser confirmado candidato.

PCdoB: ainda não definiu a data da convenção, quando Camila Lanes deverá ser confirmada candidata.

PATRIOTA: ainda não definiu a data da convenção, quando Thiago Chamulera deverá ser confirmado candidato.

PSDB: ainda não definiu a data da convenção, mas deve aprovar a aliança com o PSL.

PP: ainda não definiu a data da convenção, mas deve aprovar a aliança com o DEM.

CIDADANIA (ex-PPS): ainda não definiu a data da convenção.