“Eu estava na minha vez, eu estava na minha vez”, gritava descontrolada uma paciente que esperava por atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Boa Vista, em Curitiba. O episódio aconteceu na última quinta-feira (21), foi registrado em vídeo e as imagens circulam nas redes sociais. Irritada, a mulher agrediu uma das enfermeiras da unidade que é uma das mais lotadas todos os dias na capital do Estado.

Segundo a Prefeitura de Curitiba, a agressão aconteceu durante a noite e a mulher já havia passado pela triagem. Ela teria recebido uma pulseira verde, que identifica que o atendimento não era urgente e ambulatorial, conforme a classificação de risco.

A agressão foi presenciada por dezenas de outros pacientes que aguardavam atendimento e outros que já eram atendidos pelas equipes do posto. A mulher teria se irritado porque entendeu que alguém havia passado em sua frente.

Descontrolada, ela foi para cima da enfermeira e começou a gritar e a esmurrar. Repetindo que estava na vez dela, a mulher deu vários socos na enfermeira e a chamou de palhaça. Ela só parou ao ser retirada da sala por alguns homens que ouviram os gritos. Algumas pessoas ainda diziam para a paciente que a enfermeira não tinha culpa, mas a mulher perdeu o controle.

No vídeo que circula nas redes sociais, enquanto a mulher grita descontrolada, uma outra mulher narra o que acontece e diz que não tem médico para atender o povo. “Onde que já se viu. Cadê o médico daqui? Olha a baixaria. Não tem médico, está todo mundo revoltado”.

Foto: Reprodução.
Foto: Reprodução.

Presa pela Guarda

Ao fundo, antes de o vídeo acabar, é possível ouvir ainda a mulher revoltada gritando que a enfermeira havia passado outra pessoa na frente dela. A usuária, moradora de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, foi presa, após ser atendida em outra unidade de saúde.

Depois de contida, mesmo ainda gritando, ela foi detida pela Guarda Municipal e encaminhada para atendimento na UPA do bairro Pinheirinho. Conforme a prefeitura, logo após receber atendimento médico, ela foi levada à delegacia.

O boletim de ocorrência foi feito no Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac) e a Polícia Civil deve investigar o que aconteceu. No momento da agressão à enfermeira, segundo informou a prefeitura, havia 7 médicos em atendimento, sendo três para a ala adulta, dois pediatras e outros dois no atendimento interno.

População na bronca

Nesta sexta-feira (21), o Paraná TV esteve na UPA do Boa Vista e descobriu que tinha gente esperando há seis horas por atendimento. A unidade estava lotada desde cedo e havia grande movimento tanto para atendimento de adultos como também para crianças. A principal reclamação dos pacientes foi a demora nos atendimentos, porque não tinham médicos o suficiente.

A UPA Boa Vista, de acordo com a prefeitura, é uma das mais acessadas pela população da região norte de Curitiba e por moradores dos municípios vizinhos da região metropolitana. Cerca de 470 pessoas são atendidas diariamente naquela unidade. Conforme a prefeitura informou à RPCTV, nesta sexta-feira a unidade estava com equipe completa: quatro médicos para atendimento adulto, dois pediatras e outros dois para atendimentos de internados.

Foto: Arquivo/Tribuna do Paraná.
Foto: Arquivo/Tribuna do Paraná.