Após o anúncio da mudança para a bandeira de alerta laranja em Curitiba nesta sexta-feira (27), a secretária municipal de saúde Márcia Huçulak explicou os principais motivos que fizeram a prefeitura impor novas restrições. No entanto, com a crescente alta de casos e ocupação de leitos de UTI, a secretária enfatizou que os efeitos da bandeira “vai depender de cada um de nós”.

LEIA TAMBÉM Márcia Huçulak explica nova bandeira laranja em Curitiba

Mesmo com a abertura de leitos, Curitiba não está longe do risco de sofrer um colapso na rede pública de saúde – ou seja, quando os leitos exclusivos de UTI para casos de coronavírus estiverem todos lotados. “Tudo é finito na vida. A gente vai chegar num momento que não vamos ter pra onde correr se a sociedade não nos ajudar”, desabafa a secretária.

Segundo ela, a mudança de bandeira deve começar a impactar e revelar uma baixa no número de casos em até 14 dias. Até lá, pode ser que Curitiba ainda demonstre aumento de casos. O apelo da secretária agora é de que as pessoas com diagnóstico positivo fiquem isoladas, em casa. “Então eu imploro aos 12 mil casos ativos, fique em casa, fique em casa, se isole por favor”, desabafa.

A secretária ainda revelou que o descumprimento do isolamento domiciliar em caso positivo de coronavírus é crime contra saúde pública. “A gente já foi em local de trabalho levar o paciente para a delegacia fazer boletim de ocorrência por crime de saúde pública. Se as pessoas não sabem, elas podem ser imputadas por crime contra saúde pública”, alerta Huçulak.

Bandeira Laranja

Após os recorrentes aumentos no número de casos ativos de coronavírus em Curitiba nos últimos dias, a prefeitura anunciou nesta sexta-feira (27) a mudança para a bandeira laranja de alerta ao coronavírus.

Com o novo decreto, fica suspenso o funcionamento de bares, casas noturnas e estabelecimentos destinados ao entretenimento e eventos sociais como buffet, parques infantis e temáticos.

A alta de casos nos últimos dias fez Curitiba suspender a realização de cirurgias eletivas – aquelas não emergenciais -.do Sistema Único de Saúde. Para garantir atendimento aos casos graves, a prefeitura também anunciou a ativação de 174 novos leitos exclusivos para covid-19 na cidade, sendo 50 deles nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).