Sete meses depois de o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) autorizar os órgãos de trânsito de todo o Brasil a aceitar pagamento de multas com cartão de crédito, a novidade passa a valer em Curitiba. De acordo com informações da Prefeitura, as multas emitidas por agentes de trânsito da Superintendência de Trânsito (Setran) e guardas municipais já podem ser parceladas no cartão. A facilidade ao cidadão é possível por meio de um convênio firmado com o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR).

“A Prefeitura recebeu a autorização do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) para fazer o parcelamento de multas”, explica a superintendente de Trânsito, Rosangela Battistella. “Lembrando que veículos com débitos em atraso podem ser recolhidos caso sejam flagrados em blitz de trânsito e o pagamento das multas evita esse tipo de transtorno”, aponta ela.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Parcelamento em até 12x

O parcelamento do valor devido pode ser feito em até 12 vezes, com cartão de crédito das bandeiras Visa, MasterCard, Elo, Diners Club e Amex. O procedimento deve ser solicitado presencialmente na sede do Detran-PR (Avenida Victor Ferreira do Amaral, 2.940, Tarumã), de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h, exceto feriados.

“Através de delegação, a arrecadação é feita por meio do Detran, que credenciou uma empresa para o parcelamento, em negociação direta do devedor com as principais operadoras de cartões”, conta a superintendente de Trânsito de Curitiba.

+Leia também: Asfalto derretido que causava sacolejo em biarticulado é arrumado em Curitiba

As operadoras de cartões de crédito ficam, então, responsáveis pela quitação da dívida, à vista. O repasse ao município é feito de forma única e imediata. “A iniciativa não traz nenhum ônus financeiro à Prefeitura, apenas beneficia e facilita para os cidadãos, que podem colocar os débitos em dia e evitar gastar mais, pois há taxas cobradas em caso de remoção do veículo”, reforça Battistella.

Funciona? Tornozeleira eletrônica provoca dúvida sobre sua efetividade